Caderno REA

Como professores, é parte da nossa prática reutilizar recursos que criados para atividades e grupos diferentes. Com o passar do tempo adicionamos e removemos elementos e modificamos nossos planos de aula, materiais e recursos. Aprendemos com a interação com os nossos alunos, refletimos sobre a prática e fazemos alterações no nosso modo de trabalho. Partindo desse princípio, é importante pensar em recursos existentes como um ponto de partida. Nem sempre precisamos criar recursos do zero.

A professora Cris Miura faz um relato sobre um projeto que "abriu" um livro criado em colaboração com os alunos do ensino médio. O livro já havia sido criado e originamente disponibilizado online em um formato fechado. Após uma breve reflexão com os alunos, a professora adaptou um recurso já existente e transformou o arquivo em formato ePub (formato aberto), disponibilizando o livro com uma licença livre.

Infelizmente, nem sempre temos o hábito de compartilhar nossos melhores recursos com outros professores, mas existe grande potencial nessa prática. Todos os professores têm bons planos de aula, exemplos de atividades e outros recursos que poderiam dar novas ideias a outros professores. Imagine que um recurso seu pode virar uma referência para outros professores! Um colega na sua escola (ou em outro canto do país) pode ter uma ótima atividade na área de matemática justamente para um tema no qual você enfrenta um desafio com seus alunos. Você pode ter uma atividade que usa com seus alunos há anos e que sempre dá bons resultados. Ao compartilhar, você dá a oportunidade para um outro professor usufruir de toda a sua experiência. Alem disso, o compartilhamento pode abrir possibilidades de colaboração que a rotina do dia-a-dia não permite.

Os livros didáticos que recebemos para uso em sala de aula foram feitos para serem utilizados da maneira como estão, muitas vezes de maneira linear, de página em página. Não é possível, por exemplo, substituir uma foto por outra ou alterar trechos do texto. O modelo do livro didático foi feito para ser usado como está. As editoras trabalham duro para que o livro possa ser usado em qualquer contexto. Mas sabemos que os contextos da sala de aula são únicos. Mudam ano após ano com novos alunos e mudanças na escola, mas também são diferentes conforme o bairro, a cidade e o país. Seria difícil imaginar que uma atividade feita por você, para o seu contexto, pudesse ser utilizada sem qualquer modificação por outro professor em uma realidade completamente diferente. Ai está um dos grandes benefícios do movimento REA. Ao permitir que outros façam modificações nos seus recursos, um professor pode não somente fazer uso do que você criou, mas tem licença para alterar o que achar necessário para que o seu recurso seja um sucesso também em outra realidade.

Algumas razões para professores adaptarem REA incluem1 :

O que chamamos de “adaptar” inclui: inserir e remover componentes, mudar a sequência das atividades, editar ou alterar imagens, texto, áudio, vídeo, etc. -- tudo para que o recurso combine com o estilo de professor e atenda as necessidades dos alunos. Em se tratando de recursos digitais, você poderá fazer uso de várias ferramentas que abordamos neste caderno. Mas adaptar REA também acontece no papel. Você pode, por exemplo, imprimir um capítulo ou um trecho de um livro, adicionar algumas folhas com trechos de artigos, textos que você criou, fotos licenciadas abertamente (entre outros) e entregar este novo recurso aos seus alunos como material didático. Em última instância, o que o movimento REA possibilita é pensar no recurso didático como algo do qual de pode partir e não como algo dado que não pode ser modificado.


  1. Os quatro exemplos foram adaptados de um original de 8 elementos disponíveis em http://wikieducator.org/OER_Handbook/educator_version_one/Adapt, por sua vez retirados de ISKME (2008, February 8), disponível em: What is localization? Connexions. Retrieved March 21, 2008, from http://cnx.org/content/m15222/latest/